Pular para o conteúdo principal

Protocolos Multimídias - Parte II




1. Introdução


 
O mundo atual vive conectado. E o que a grande maioria dos usuários da rede acessa são os aplicativos de música (Tune in, Spotify, Deezer).
No Brasil temos um grande público voltado para esta área. Contamos com cerca de 5.000 rádios (somente as registradas no maior website da área www.radios.com.br) enviando seu áudio através de streaming e com seu web player no site.
Até mesmo aplicativos que não são de música, possuem o recurso de utilizá-los ouvindo música. Neste caso temos os mesmos desenvolvidos para atletas profissionais e iniciantes que tem suas corridas e caminhadas monitoradas ouvindo música.
O principal objetivo deste trabalho é trazer a melhor solução para desenvolvimento multi-plataforma e que, tenha alto desempenho baseada na infraestrutura existente no país (Banda Larga, 2G, 3G, 4G, Edge e GRPS).

2. Streaming 

Streaming ou fluxo de mídia é uma forma de distribuição de dados, geralmente de multimídia em uma rede através de pacotes. Em streaming, as informações não são armazenadas pelo usuário em seu próprio computador não ocupando espaço no Disco Rígido (HD), ele recebe o "stream", a transmissão dos dados (a não ser a arquivação temporária no cache do sistema ou que o usuário ativamente faça a gravação dos dados) - a mídia é reproduzida à medida que chega ao usuário, dependendo da largura de banda seja suficiente para reproduzir os conteúdos, se não for o suficiente ocorrerá interrupções na reprodução do arquivo. Isso permite que um usuário reproduza conteúdos protegidos por direitos de autor, na Internet, sem a violação desses direitos, similar ao rádio ou televisão aberta diferentemente do que ocorreria no caso do Download do conteúdo, onde há o armazenamento da mídia no HD configurando-se uma cópia ilegal. A informação pode ser transmitida em diversas arquiteturas, como na forma Multicast IP ou Broadcast. Exemplos de serviços como esses são o Net Now, Netflix, Spotify, Deezer, etc.
            Nos últimos anos, houve extraordinário desenvolvimento e ampla disseminação das aplicações em rede que transmitem e recebem conteúdo de áudio e vídeo pela internet. Novas aplicações de rede multimídia (também conhecidas como aplicações de mídia de taxa constante) – vídeo de entretenimento, telefonia IP, rádio por internet, sites WWW multimídia, teleconferência, jogos interativos, mundos virtuais, aprendizado a distância e muitas outras aplicações – são anunciadas continuamente. As exigências de serviço dessas aplicações diferem de modo significativo daquelas aplicações tradicionais orientadas a dados, como texto/imagem Web, e-mail, FTP e DNS. Em particular, as aplicações de multimídia são muito sensíveis ao atraso fim a fim e à variação do atraso, mas podem tolerar perdas de dados ocasionais. Essas exigências de serviço fundamentalmente diferentes sugerem que a arquitetura de rede projetada de início para a comunicação de dados pode não se adaptar bem ao suporte de aplicações de multimídia. Na verdade, veremos uma série de esforços para ampliar a arquitetura da internet, a fim de fornecer suporte explícito para as exigências de serviço dessas novas aplicações de multimídia.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Computação Gráfica: Fundamentos básicos

As 7 principais linguagens de programação usadas em desenvolvimento mobile

A multiplicidade de linguagens para a criação de softwares e aplicativos é gigantesca. Inserido nesse universo recheado de idiomas, digno de séries e filmes cultuados como “Star Trek” e “Star Wars”, o programador deve escolher precisamente a opção mais adequada ao objetivo final.
Não somos tão sábios quanto Mestre Yoda e Spock, mas vamos te dar uma força e explicar quais as linguagens de programação mais usadas em desenvolvimento mobile. Siga-nos nessa jornada!
Java Adquirida pela Oracle, é a linguagem mais utilizada por programadores ao redor do mundo. Orientado a objetos, o Java é compilado e flexível, podendo ser executada tanto numa janela de navegador quanto em aparelhos sem browser.
Outra grande vantagem da linguagem Java é a capacidade multiplataforma, cujo código é executado com especial sucesso em sistemas Android e Windows. Ainda assim, quando fala-se em desenvolvimento mobile no Brasil, com a salada mista de SO nos smartphones e tablets, dependendo dos seus …

Fazendo jogos e aplicativos com Unity 3D

Uma das principais dúvidas de quem está iniciando no mundo do desenvolvimento de jogos digitais é a de quais softwares utilizar. Em especial, muitas pessoas têm dificuldade em decidir qual game engine(ou, em português, motor de jogo) aprender para dar inicio ao desenvolvimento dos próprios jogos.

Mas o que é uma game engine?

A game engine é o programa de computador utilizado na confecção dos jogos digitais. É na game engine que a programação do jogo é feita, unindo arquivos de áudio, imagens e modelos 3D para criar os diversos cenários e ambientes do jogo.

Uma game engine possui diversas bibliotecas de scripts já embutidas, que facilitam o desenvolvimento de um jogo. Por exemplo, a maioria das game engines já vem com scripts para cuidar da renderização dos gráficos (motor gráfico) e da física básica envolvida no jogo (motor de Física). Isso quer dizer que é possível criar, por exemplo, uma esfera no editor da game engine e, com apenas alguns cliques, configurar aquele objeto 3D…