Pular para o conteúdo principal

Protocolos Multimídias - Parte II




1. Introdução


 
O mundo atual vive conectado. E o que a grande maioria dos usuários da rede acessa são os aplicativos de música (Tune in, Spotify, Deezer).
No Brasil temos um grande público voltado para esta área. Contamos com cerca de 5.000 rádios (somente as registradas no maior website da área www.radios.com.br) enviando seu áudio através de streaming e com seu web player no site.
Até mesmo aplicativos que não são de música, possuem o recurso de utilizá-los ouvindo música. Neste caso temos os mesmos desenvolvidos para atletas profissionais e iniciantes que tem suas corridas e caminhadas monitoradas ouvindo música.
O principal objetivo deste trabalho é trazer a melhor solução para desenvolvimento multi-plataforma e que, tenha alto desempenho baseada na infraestrutura existente no país (Banda Larga, 2G, 3G, 4G, Edge e GRPS).

2. Streaming 

Streaming ou fluxo de mídia é uma forma de distribuição de dados, geralmente de multimídia em uma rede através de pacotes. Em streaming, as informações não são armazenadas pelo usuário em seu próprio computador não ocupando espaço no Disco Rígido (HD), ele recebe o "stream", a transmissão dos dados (a não ser a arquivação temporária no cache do sistema ou que o usuário ativamente faça a gravação dos dados) - a mídia é reproduzida à medida que chega ao usuário, dependendo da largura de banda seja suficiente para reproduzir os conteúdos, se não for o suficiente ocorrerá interrupções na reprodução do arquivo. Isso permite que um usuário reproduza conteúdos protegidos por direitos de autor, na Internet, sem a violação desses direitos, similar ao rádio ou televisão aberta diferentemente do que ocorreria no caso do Download do conteúdo, onde há o armazenamento da mídia no HD configurando-se uma cópia ilegal. A informação pode ser transmitida em diversas arquiteturas, como na forma Multicast IP ou Broadcast. Exemplos de serviços como esses são o Net Now, Netflix, Spotify, Deezer, etc.
            Nos últimos anos, houve extraordinário desenvolvimento e ampla disseminação das aplicações em rede que transmitem e recebem conteúdo de áudio e vídeo pela internet. Novas aplicações de rede multimídia (também conhecidas como aplicações de mídia de taxa constante) – vídeo de entretenimento, telefonia IP, rádio por internet, sites WWW multimídia, teleconferência, jogos interativos, mundos virtuais, aprendizado a distância e muitas outras aplicações – são anunciadas continuamente. As exigências de serviço dessas aplicações diferem de modo significativo daquelas aplicações tradicionais orientadas a dados, como texto/imagem Web, e-mail, FTP e DNS. Em particular, as aplicações de multimídia são muito sensíveis ao atraso fim a fim e à variação do atraso, mas podem tolerar perdas de dados ocasionais. Essas exigências de serviço fundamentalmente diferentes sugerem que a arquitetura de rede projetada de início para a comunicação de dados pode não se adaptar bem ao suporte de aplicações de multimídia. Na verdade, veremos uma série de esforços para ampliar a arquitetura da internet, a fim de fornecer suporte explícito para as exigências de serviço dessas novas aplicações de multimídia.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Caos e hackers perseguem investidores nas bolsas de criptomoedas

Dan Wasyluk descobriu da forma mais difícil que as negociações de criptomoedas como bitcoins ocorrem em um ambiente online similar ao Velho Oeste, com os xerifes em grande parte ausentes.

Wasyluk e seus colegas levantaram bitcoins para uma nova empresa de tecnologia e hospedaram-nos como garantia em uma administradora de bolsa de moedas virtuais chamada Moolah. Poucos meses depois, o bolsa quebrou e o homem responsável está aguardando julgamento no Reino Unido, sob acusações de fraude e lavagem de dinheiro. Ele se declarou inocente.

O projeto de Wasyluk perdeu 750 bitcoins, que atualmente valem cerca de 3 milhões de dólares, e ele acredita que tem poucas chances de recuperar dinheiro.


"Realmente o projeto foi um tiro no pé", disse Wasyluk sobre o colapso de três anos atrás. "Se você está começando uma bolsa e você perde o dinheiro dos clientes, você ou sua empresa devem ser 100 por cento responsáveis por essa perda."
As criptomoedas deveria…

The Good Place - Netflix

Dias de chuva a primeira coisa que faço é, caçar algum filme ou série pra assistir na Netflix, Amazon Prime ou algum anime no Chunchyroll. Passando pela lista da Netflix, olhava para essa série mas ficava receoso de assistir e não gostar. Mas, olhando o catálogo e vendo que já assisti quase tudo de novidade resolvi dar uma chance a série mas já doido pra reprovar.

Antes de começar a falar da série, vamos falar do que sabemos da vida pós-morte. Sabemos que cada crença tem um modo de ver a vida pós-morte. Algumas acreditam em paraíso e inferno, outras tem o purgatório (uma espécie de escola de verão pra quem ficou de recuperação no teste da vida), os ateus acham que o pós-morte é mais químico e orgânico, seu corpo servirá de adubo pra natureza e, alguns acreditam em ciclo de reencarnação, onde as pessoas voltam para este mundo com uma nova identidade.

Dissertando um pouco sobre a vida pós-morte, vamos entender agora a série. No começo, quando a protagonista Eleanor morre e vai parar no &q…

Apple volta a ser a maior marca de wearables do mundo

Segundo o Canalys, a Apple voltou a ser a maior marca de wearables (dispositivos que podem ser usados como peças de vestuário) do mundo. No último trimestre, a empresa vendeu 3,9 milhões de unidades do Apple Watch.

Em segundo lugar, veio a Xiaomi, que vendeu 3,6 milhões Mi Bands, e em terceiro a Fitbit, que conseguiu vender 3,5 milhões de unidades do Alta.

No começo do ano, a Apple tinha sido superada pela Xiaomi. Contudo, o lançamento do novo Apple Watch fez com que a Maçã voltasse para a liderança.