Pular para o conteúdo principal

Apple explica que pequenas “falhas” temporárias na tela do iPhone X são características da tecnologia OLED


Quando você começa a usar ou trabalhar com um paradigma totalmente novo, é normal que tenha alguma dificuldade em se adaptar às suas vicissitudes. É exatamente o caso da Apple com a tecnologia OLED: depois de décadas trabalhando exclusivamente com telas LCD, a empresa adotou o novo padrão no novíssimo iPhone X e, até agora, tem recebido elogios pela decisão — principalmente pelo fato de ter escolhido os elogiados painéis da Samsung em vez de fazer uma parceria com a LG e suas telas notoriamente problemáticas.

Entretanto, como eu disse acima, qualquer novidade trará também sua parcela de dificuldades de adaptação. Por isso, a Apple criou uma página especial na seção de suporte do seu site, explicando aos felizardos que já conseguiram colocar as mãos no iPhone X as principais diferenças na tela dos seus iPhones e o que eles devem esperar com ela — inclusive pequenos comportamentos “estranhos”, que poderiam ser considerados falhas.

Por exemplo: a Maçã explica que, se você olhar para uma tela OLED como a do iPhone X num ângulo levemente oblíquo, poderá notar pequenas diferenças de cor e tonalidade no conteúdo exibido — segundo a empresa, este é um comportamento normal da tecnologia. Além disso, esse tipo de painel pode apresentar casos temporários de persistência de imagem, o infame burn-in, quando um elemento estático em alto contraste é exibido na tela por muito tempo. A Apple afirma, entretanto, que construiu a tela Super Retina para ser a melhor da indústria no sentido de reduzir estes efeitos indesejáveis.

Por fim, a empresa dá algumas dicas para os donos do iPhone X minimizarem os efeitos do OLED e estenderem a vida útil do painel. Os conselhos incluem atualizar o aparelho sempre para a mais recente versão do iOS, usar o recurso de brilho automático, configurar um período curto de tempo para que o dispositivo desligue a tela em inatividade e evitar que imagens estáticas fiquem em exposição na tela por longos períodos, especialmente em brilho máximo.
É salutar ter isso em mente — afinal, é sempre bom cuidar o máximo possível do seu aparelho de 7 mil reais, não é verdade?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Algoritmo de Bresenham

O algoritmo de Bresenham — em homenagem a Jack Elton Bresenham — é um algoritmo criado para o desenho de linhas, em dispositivos matriciais (como por exemplo, um monitor), que permite determinar quais os pontos numa matriz de base quadriculada que devem ser destacados para atender o grau de inclinação de um ângulo. O Código void bresenham1 ( int x1 , int y1 , int x2 , int y2 ){ int slope ; int dx , dy , incE , incNE , d , x , y ; // Onde inverte a linha x1 > x2 if ( x1 > x2 ){ bresenham1 ( x2 , y2 , x1 , y1 ); return ; } dx = x2 - x1 ; dy = y2 - y1 ; if ( dy < 0 ){ slope = - 1 ; dy = - dy ; } else { slope = 1 ; } // Constante de Bresenham incE = 2 * dy ; incNE = 2 * dy - 2 * dx ;

Computação Gráfica: Fundamentos básicos

Introdução à Computação Gráfica Para aqueles que estão começando agora em computação gráfica, faz-se necessário entender a importância dessa área e de sua abrangência no mercado de trabalho. Vamos conhecer um pouco do histórico desse ramo de atividade e a importância da computação gráfica. Definição A computação gráfica é uma forma de reprodução de imagens por meio computacionais. Desmembrando a expressão: Computação: forma de compreensão de dados de computadores que interpretam algoritmos. Gráfico: forma visual de expressão. Desde que os sistemas computacionais viraram realidade, a possibilidade de criar elementos visuais tem sido considerada, e os resultados têm sido satisfatórios, como vemos na evolução desse meio. Breve histórico Os primeiros estudos sobre computação gráfica datam ainda dos anos 1950, quando as primeiras incursões aconteceram com intuito de criar uma interface gráfica para os computadores da época. Estudos mostram que provav

Boston Dynamics revela nova versão de seu robô quadrúpede

Se você é um fã de tecnologia e principalmente robótica, já deve conhecer a Boston Dynamics , que está sempre mostrando robôs incríveis e um pouquinho assustadores. A empresa agora trouxe mais uma novidade. Como você pode ver no vídeo acima, a empresa revelou oficialmente a nova versão seu robô quadrúpede que lembra um cachorro. O SpotMini é bem mais esguio e coberto com placas de metal, dando um visual mais legal e finalizado do que o anterior.